O Governo não presta!

Voltar

(Imagem extraída do jornal A Plebe, ano II, nº14, 24/05/1919)

Eu estou cansado de saber disso, mas a maioria não se convence que sem governo é melhor. Desde criança sinto um eterno zumbido no ouvido de que o governo não presta.

Hoje estou com perto de 50 anos e o zumbido de que o governo não presta aumentou.

Que diabo! Uma coisa que não presta bota-se fora, não se deve aceitar! Vamos todos a casa: mas aí que poderia governar-se por si? Eu!… Eu mesmo podia me governar muito bem. Porque não? Ora essa! Então não sei me dirigir por mim mesmo? O governo fornece-me algumas muletas? Faltaria só isso! Não saber-me governar! É o que venho fazendo há cinqüenta anos! Pois os animais se governam muito bem por si, quanto mais um de nós que tem mais recursos e mais fácil o pão.

Vamos ser razoáveis. Sempre dispensei e dispensaria perfeitamente o governo. Nunca o consultei para nada, nem lhe solicitei ou recebi dele qualquer favor ou benefício. Já vêem, pois, que carinho me merece. O governo, o Estado, é que não procede reciprocamente comigo. Mete-se em todos os meus negócios, atrapalha-me de todo jeito quer saber quanto ganho, o que faço, de que vivo, e tira de mim o lucro do meu trabalho em licenças e impostos e em nome de instituições que eu não conheço, deixando-me só o que preciso para não pedir esmola.

Posso eu sozinho me opor à vontade do governo? Não ?! E por que? Impele-me pela força armada. Aí é que está. Mas não digam que não saberia conduzir-me sem governo. Não sou só eu que não quero, somos todos. Porque é que se formam partidos políticos de todas as cores? Não é para combater o governo? Aliança Liberal, o Partido Democrático, o Partido Católico, o Partido Socialista, o Partido Comunista e Cia., não são ou foram contra o governo?

O governo não presta. Como vedes não é só o anarquista que não quer governo, somos nós todos. Vamos então ser sinceros: quem é que gosta de ser governado? Além de tudo, o governo é um ente escravo de si mesmo, e quais garantias têm os governantes? As mesmas dos governados. O pau que dá no Chico dá na Joana! O governo é uma coisa tão absurda que não garante nem a si. Pergunte a Washington Luis e seu colega Afonso XIII e eles e outros poderão responder.

Tudo é questão de palavras. Estou convencido de que todos querem o mesmo que eu quero, só que à maioria falta a coragem de assumir a responsabilidade das próprias convicções e perder o amor aos privilégios adquiridos e nada mais. Mas que o governo garanta alguma coisa de perene e eterno, todos estão cansados (como nós) de saber que isso é mentira, que o governo não garante coisa nenhuma, pois até ele é provisório e passageiro como uma estrela errante.

Por isso digo-vos: o governo não presta! E com igual razão os da última moda: bolchevista ou comunista, fascista ou socialista. Os nomes pouco importam. É que constituem um só conteúdo, uma coisa só: governo (ou desgoverno) e sempre pela força.

Por Armandinho

* Texto retirado do periódico libertário A Plebe (Nova Fase), N°. 21, de 22 de abril de 1933.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*